Waldir Azevedo e seus diversos Cavaquinhos

Waldir Azevedo teve diversos cavaquinhos durante toda a sua carreira, porém sempre foi fiel a "Do Souto", alternando entre Faia e Jacarandá.Consta quem em seu primeiro teste como cavaquinista, em 1945, pediu um instrumento emprestado da loja de instrumentos musicais "Ao Bandolim de Ouro", condicionado a comprar o instrumento caso fosse aprovado no teste e assim aconteceu.Desde então os cavaquinhos "Do Souto" fizeram parte  da sua trajetória musical. A fábrica lançou desde então o modelo "Waldir", que na época contava com a caixa um pouco mais alta que os cavaquinhos convencionais, por sugestão do próprio Waldir, como forma de obter melhor sonoridade acústica do instrumento.
Alguns desses instrumentos pertencentes a Waldir Azevedo fazem parte do seu acervo guardado pela família no Rio de Janeiro/RJ, outros não existem mais ou encontra-se nas mãos de outros músicos que, de alguma forma fizeram parte da vida de Waldir e por mérito foram presenteados com tais instrumentos.
Em visita ao seu acervo, encontraram algumas fotos antigas de Waldir Azevedo empunhando outros cavaquinhos "Do Souto", porém não se tem registros mais preciosos do destino desses instrumentos e a própria família acredita que Waldir tenha se desfeito dos mesmos no decorrer de sua vida, presenteando alguns amigos e companheiros de grupo.

Do Souto de Jacarandá da década de 40

 

Esse cavaquinho acompanhou Waldir na maior parte de sua carreira e sua maravilhosa sonoridade está presente na maioria de seus discos até o final dos anos 60, Em 1967, Waldir Azevedo doou este instrumento para o MIS (Museu da Imagem e do Som), que acabou por ser destruído em um incêndio ocorrido no Museu anos mais tarde.

Do Souto de faia da década de 50


Esse cavaquinho foi muito usado por Waldir Azevedo nas gravações de LP's e apresentações públicas, inclusive fora do país. Hoje faz parte do acervo, sob guarda da família, no Rio de Janeiro/RJ.

Do Souto de Jacarandá da década de 50 


Esse cavaquinho estampa a capa de alguns de seus LP's, porém foi pouco usado em gravações. Não há registro nem mesmo pela família do destino desse cavaquinho.

Do Souto de Jacarandá da década de 50 (Cri-cri)


Esse cavaquinho teve participação na carreira de Waldir Azevedo por tratar-se de um instrumento diferenciado, já que é bem menor do que um cavaquinho convencional e com uma sonoridade mais estridente.Foi usado em algumas gravações como efeitos sonoros especiais.Por estas características, Waldir o chamava de "Cri-cri".Também compõe o acervo guardado pela família no Rio de Janeiro/RJ

Do Souto de Faia do ano de 1968


Também bastante usado por Waldir na gravação de LP's e apresentações públicas.Esse cavaquinho encontra-se hoje nas mãos de Roberto Barbosa (Canhotinho), um presente que D. Olinda Azevedo ofertou-lhe pela amizade, parceria e identificação musical que teve com Waldir Azevedo por vários anos.

Do Souto de Faia do ano de 1975


Um dos últimos cavaquinho que Waldir utilizou para gravar e se apresentar publicamente, inclusive numa turnê para Alemanha. Acredita-se que esse seja o instrumento que D. Olinda Azevedo presenteou o amigo e admirador de Waldir Azevedo, Vivaldo de Figueiredo (Vivi), que não segue a carreira artística mas apresenta-se nas missas dominicais em igrejas do Rio de Janeiro/RJ

Do Souto de Jacarandá do ano de 1977


Este foi o último cavaquinho utilizado por Waldir em gravações e também em seu último show, realizado no Telestar, em 06 de setembro de 1980, 14 dias antes de sua partida para a eternidade.Está guardado pela família no Rio de Janeiro/RJ, juntamente com todos os ítens que compõem o acervo de Waldir Azevedo.

Do Souto de Jacarandá do ano de 1978


Esse cavaquinho foi ofertado a Waldir Azevedo pela sua gravadora Continental, um presente pelo seu excelente trrabalho junto à gravadora por vários anos. D. Olinda Azevedo presenteou Avendano Júnior com este instrumento, considerando sua amizade e dedicação em preservar a obra, o estilo e a técnica de Waldir.







2 comentários

Eu tenho um Waldir de Azevedo, fabricado pela Del Vecchio, e esse cavaquinho é show de bola, tanto pra estudar como para tocar em uma roda de samba

Reply

Postar um comentário